7 dicas para o lojista se preparar para a retomada do varejo

Diante do cenário positivo, é preciso que as lojas se atenham às estratégias necessárias para aproveitar este novo ciclo de crescimento; veja dicas de especialistas

iStock

No próximo dia 30 de agosto, celebra-se o Dia do Lojista, profissão que é responsável por fazer girar uma das rodas mais importantes da economia: o varejo. Com a taxa de juros abaixo dos dois dígitos, o aumento na procura por crédito e o recuo dos preços dos produtos, o mercado projeta um aumento no volume de vendas do varejo já para este segundo semestre. A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) prevê um crescimento de 1,6% nas vendas até o final do ano.

A perspectiva otimista, no entanto, não dispensa as lojas de programarem as estratégias necessárias para aproveitar este novo ciclo de crescimento e se adiantarem frente à concorrência. Por isso, listamos abaixo seis dicas de especialistas do setor para ajudar o lojista a otimizar suas vendas neste segundo semestre do ano. Veja:

Analise o fluxo de consumidores
A tecnologia já está disponível para o varejo físico apostar no modelo de loja do futuro. De acordo com Leonardo Santos, CEO da Semantix, startup que desenvolve soluções de big data, inteligência artificial e análise de dados, o mercado possui ferramentas de acesso à Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) por meio de sensores para controle de fluxo. “Ao se conectar ao smartphone do cliente, a tecnologia permite registrar dados como horário de entrada e saída da loja, se o gadget foi detectado previamente, as hot zones (áreas mais circuladas dentro da loja), entre outras informações”, diz.

Aposte no omnichannel
Para acompanhar essa transformação digital que o comércio vem passando, os lojistas precisam unificar todos os canais de venda e transmitir sempre a mesma mensagem. É o chamado de omnichannel. “Na prática, significa fazer com que os vários pontos de relacionamento com o consumidor se transformem em uma experiência única de compra”, explica o diretor geral da Tray, Willians Marques. “Isso requer planejamento e preparo para que seja possível oferecer ao cliente as opções de comunicação integradas, permitindo a compra no site e a retirada ou troca na loja física, por exemplo”, ressalta.

Foque nos dispositivos móveis
De acordo com o estudo Webshoppers de 2017, realizado pela Ebit, 48 milhões de consumidores compraram no comércio eletrônico pelo menos uma vez em 2016, sendo que 21,5% das transações on-line foram realizadas via dispositivos móveis. “Uma das principais inovações neste cenário foi a adoção de outros canais de comunicação, como SMS, notificações por Facebook, Instagram e Snapchat – e aplicativos corporativos. Hoje, é possível escolher por qual meio o cliente será impactado pela primeira vez e, com base em suas reações”, afirma o diretor geral da All iN, Victor Popper.

Preocupe-se com o pós-venda
Ao contrário do que muitos lojistas pensam, o pós-venda não se resume apenas à solução de problemas. Esse momento reúne atividades de marketing efetuadas depois da realização de uma compra. As estratégias podem ser desde pesquisas de satisfação à manutenção do relacionamento com o cliente e ações para fidelizá-lo. “Essas medidas são cruciais para qualquer loja, física ou virtual, pois ao cativar o consumidor a loja viabiliza uma venda futuramente”, afirma Bruno Gianelli, sócio-diretor da Betalabs, especializada em sistemas de gestão e plataformas de e-commerce.

Entenda o consumidor
De acordo com estudo da Forrester Research, 22% das pessoas hoje que compram off-line, foram influenciadas ou impactadas pelo on-line. Em 2021, esse número passará a ser de 32%. Isto quer dizer que cada vez mais o varejo off-line terá de pensar em como poderá investir em uma solução de multicanalidade, avalia Carlos Alves, diretor de Marketplace do Magazine Luiza e da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm). “A surpresa estará na capacidade de entender o momento de cada consumidor, saber quando ele está na fase de pesquisa e quando estará na fase de decisão da compra”, afirma. Funil de vendas e jornada do comprador: Sua estratégia de conteúdo se baseia nesses conceitos? Descubra com a WorldSense Patrocinado 

Uberize o pagamento
A tecnologia deve ser usada para tornar o pagamento um ato mais natural, promovendo uma experiência simples, transparente e sem fricção para o consumidor. A chamada “uberização” do pagamento tem uma contribuição significativa na fidelização do cliente, avalia Augusto Lins, diretor da Stone Pagamentos. “É missão dos especialistas em mercado financeiro e tecnologia desenvolver, juntos, soluções que tragam simplicidade e facilidade aos meios de pagamento, integrando-os às plataformas físicas e móveis, como os smartphones”, afirma.

Monitore o caixa
Muito se fala em aprimorar a experiência de pagamento, mas o esforço em aperfeiçoá-la pode ser em vão se as empresas não adotarem tecnologias que passem pela gestão do setor financeiro. “O lojista hoje utiliza a tecnologia para monitorar todas as etapas de uma transação em qualquer modalidade de pagamento eletrônico para identificar falhas, como eventuais cobranças em duplicidade”, explica Fabrício Costa, CEO da Equals, empresa especializada em gestão de recebíveis. “Esse gerenciamento inteligente não apenas proporciona segurança financeira ao vendedor como fideliza a clientela ao contribuir diretamente para a construção da reputação de uma empresa no imaginário do cliente”.

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/7-dicas-para-o-lojista-se-preparar-para-a-retomada-do-varejo/121012/