Quer correr 21 ou 42km? Experiência e treinos ditam ritmo em provas longas

Turíbio Barros diz que esse ritmo deve ser ajustado com orientações, treinamentos, e pode ser aferido e aperfeiçoado com testes específicos de avaliações físicas. Confira!

O principal fator determinante de uma boa prova de longa distância é a capacidade de manter um ritmo adequado ao nível de aptidão física do corredor. Esse ritmo deve ser ajustado a partir de orientações adequadas, treinamentos, e pode ser aferido e aperfeiçoado com testes específicos de avaliações físicas.

Fisiologicamente, o ritmo ideal de corrida em uma prova longa é o limite que o sistema de transporte de oxigênio possibilita para os músculos produzirem energia pelo chamado metabolismo aeróbico. Este limite tem enorme influência genética e certamente pode e deve ser melhorado pelo treinamento. Paralelamente durante a prova também existe uma produção de energia anaeróbia, porém quando estamos dentro deste limite, o ácido láctico produzido pelo metabolismo anaeróbio é metabolizado e não se  acumula progressivamente.

Corredor atlético negro pensador (Foto: Getty Images)É normal a variação do ritmo da corrida durante uma prova longa (Foto: Getty Images)

Quando durante a prova o corredor aumenta o ritmo, ou em função de um aclive do percurso, aumenta a intensidade, ultrapassando este limite, o ácido láctico aumenta e seu acúmulo começa a provocar desconforto e dor ameaçando a continuidade da prova. Existe neste momento a necessidade de uma redução compensatória de ritmo para possibilitar uma metabolização deste acúmulo e voltar à região de conforto.

O desafio do ritmo adequado é portanto uma questão de aprendizado e experiência e sobretudo a estratégia de entender e respeitar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelo desempenho.

*As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do Globoesporte.com / EuAtleta.com.

TURÍBIO BARROS
Mestre e Doutor em Fisiologia do Exercício pela EPM. É membro do American College of Sports Medicine, professor e coordenador do Curso de Especialização em Medicina Esportiva  da Unifesp e fisiologista do São Paulo FC e coordenador do Departamento de Fisiologia do E.C. Pinheiros www.drturibio.com

fonte: http://globoesporte.globo.com/eu-atleta/saude/noticia/2016/09/quer-correr-21-ou-42km-experiencia-e-treinos-ditam-ritmo-em-provas-longas.html