Como aplicar a arte da guerra aos negócios

Podemos prontamente aplicar a arte da guerra ao mundo dos investimentos, no qual os princípios fundamentais são, primeiramente, não perder dinheiro

iStock

Um dos livros sobre estratégia militar mais importantes da história, o clássico “A Arte da Guerra”, de Sun Tzu, marcou gerações de líderes em todo o mundo. Suas táticas influenciaram governantes ocidentais e orientais e, até hoje, são utilizadas por empresários e estrategistas modernos.

A obra é também uma das principais influências do imperador Tang Taizong, responsável por transformar a China no maior e mais poderoso país do mundo. Herdeiro dessa tradição, o imperador se utilizou das estratégias de Sun Tzu para combater inimigos durante a Dinastia Tang (618-907), saudada por historiadores como a época de ouro do país.

Trazidos para os dias atuais, os princípios da arte da guerra que Taizong utilizou podem ser aplicados a qualquer tipo de conflito ou atividade competitiva, seja um torneio esportivo, uma batalha jurídica, uma campanha política ou a competição nos negócios.

Entre os ensinamentos deixados por Taizong, um dos mais importantes é a necessidade de conhecer profundamente a si mesmo, assim como saber identificar os pontos fortes e as fraquezas de seus inimigos. O imperador costumava dizer que um grande líder deve saber dominar as suas fraquezas e controlar os seus desejos, para evitar a confusão da mente. Por isso, é necessário adquirir autoconhecimento por meio do autoexame e da observação de outras pessoas.

Entender as táticas de seu concorrente, portanto, é útil para traçar os próprios planos e mudar as estratégias, quando necessário.

Entre as razões de sucesso da dinastia Tang também estão a sabedoria e o caráter excepcional de Taizong, que soube aproveitar as melhores oportunidades para agir, perdoou seus antigos inimigos, recrutou homens capazes e manteve a prática da sinceridade em seu governo. Para isso, ele estabeleceu uma ligação emocional com seus soldados, aprendeu a ouvir os outros, incentivou a transparência e puniu quando necessário.

Hoje em dia, por exemplo, podemos prontamente aplicar a arte da guerra ao mundo dos investimentos, no qual os princípios fundamentais são, primeiramente, não perder dinheiro; depois, tentar obter ganhos escolhendo os momentos adequados para agir. Para obter a vitória – ou seja, ter um lucro superior a longo prazo –, o líder precisa exercitar a disciplina e o autocontrole.

Chinghua Tang — Graduado pela London School of Economics. Foi o primeiro chinês a conseguir um MBA em Harvard. É autor do livro “O guia do líder”, lançado em 2017 pelo selo Planeta Estratégia, da Editora Planeta.

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/como-aplicar-a-arte-da-guerra-aos-negocios/121419/